quinta-feira, 28 de abril de 2011

Turismo e terrorismo em Marrakech

Postado por Alexandre Panosso e Tatiana Panosso

Turismo e terrorismo em Marrakech. Ainda hoje estávamos lá, dia do atentado terrorista que matou mais de 10 pessoas. Vários eram turistas (http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/internacional/2011/04/28/explosao-deixa-mais-de-10-mortos-em-cidade-turistica-do-marrocos.jhtm#comentarios).

Abaixo Praça Jemaa El Fna, palco maior do atentado. A seta branca indica o teto do restaurante Argana, que sofreu o atentado. A torre do lado esquerdo é a mesquita Koutoubia (centro espiritual da cidade de Marrakech).

Abaixo fachada do Restaurante Argana, prédio da esquerda, local do atentado, na noite do dia 26 de abril (imagem de vídeo feita por nós. Clique na imagem para aumentar).
Vamos explicar.
Passamos três dias em Marrakech, que está a menos de duas horas de voo de Madrid. Chegamos na cidade no dia 25 de abril e nosso voo estava marcado para retornar hoje, 28 de abril, às 08:05 da manhã. E assim o foi. Retornamos no horário marcado, e quando chegamos em Barajas, em Madrid, escutamos a notícia do atentado. No início não pudemos compreender bem, depois ficou claro que se tratava de ato terrorista. Portanto, tudo indica, que enquanto voávamos de volta a Madrid, o ato covarde acontecia. Portanto, já não estávamos mais lá.
Acima outra visão da praça Jemaa El Fna, desta vez pela noite.

Marrakech se mostrou para nós cidade fantástica. Cheia de mistérios, cheiros e sabores que desconhecíamos. Além do mais, para ocidentais, ela é muito exótica. Chama a atenção andar por suas ruas estreitas, cheias de tendas de artesanatos e de todo tipo de produtos, desde cabras e bois mortos,  até casas de câmbio, tinturarias de couro, casas de artigos de prata e cafeterias. Uns próximos dos outros, numa confusão total (ao menos para nós).
Rua estreita com produtos para turistas e locais.

Iámos fazer uma postagem sobre a cidade e nossa visita. Mudamos de idéia. O atentado coloca ainda mais no centro do debate o questionamento que as populações do norte da África vem se fazendo no últimos tempos, buscando maior liberdade de expressão, democracia, direitos sociais, igualdade entre os sexos, direitos humanos, culturais e religiosos, etc. É uma revolta contra séculos de opressão, de vários modos.
Cortume de couro centenário.

Se o caminho é o terrorismo? Obviamente que para nós, numa perspectiva de fora, vendo de longe, isso é ilegítimo. Deveriam escolher outros meios, mesmo que fosse uma revolta social, mas sem fazer correr o sangue. Melhor seria um diálogo, mas como? Poucos tem resposta.
Nos três dias que lá passamos, sabíamos que havia um descontentamento com algumas ações tomadas pelo governo local, mas não sentimos isso na rua. E nem poderíamos sentir, pois não sabemos o idioma local e nosso contato foi limitado com a população. Uma pessoa que conhecemos hoje no aeroporto nos contou que seu filho, que lá mora, estava consciente dos problemas, mas cremos que nem eles acreditavam que pudesse ser tão grave assim.
No primeiro plano, flores num dos belos jardins da cidade. Para a religião muçulmana, em nossa alma sempre há um pequeno jardim. Lugar do paraíso. No segundo plano, uma das charretes com cavalos que proporcionam passeios e encantam os turistas.

O dono de um dos restaurantes da cidade, disse que "o turismo vai sofrer por algum tempo", está na reportagem do www.uol.com.br citada acima. Isso é bem verdade, porém o turismo é apenas uma das facetas afetadas. Talvez a segurança da cidade, a confiança no governo (que já não era grande), o sistema político local e, acima de tudo, a população mais pobre é quem verdadeiramente vai sofrer. Ainda mais.

3 comentários:

Sylvana K. Marques disse...

Como diria Anthony Giddens, nossa sociedade de riscos, são sempre riscos e cada vez mais presentes nesse momento de "ebulição"
Sentimos muito tudo isso, mas o que fazer néw de algum modo nos sentimos impotentes, mais tbm podemos agir de outras maneiras...Isso nos faz pensar!
Um grande abraço professor...

Anônimo disse...

Ola, Alexandre e Tatiana. Tudo bem?
Realmente este tema terrorismo eh complexo. Vou a Marrakech em julho e ficarei 3 dias. Vcs tem dicas das coisas imperdiveis para fazer nesse periodo? 3 dias eh pouco? Vale a pena? Agradeco desde ja. Abs. Heloisa (heloisa_cap@hotmail.com)

antonio disse...

olá vou a marrakech hoje mesmo ...... estou a menos de uma hora de partir para lá. Sou de portugal e enquanto esperava vi este blogue que me pareceu muito util. espero poder ter tempo de ver tudo em... 2 dias ;)
abraço a todos :)