segunda-feira, 7 de junho de 2010

Férias Pagãs - ou sobre quando surgiu o turismo?

Postado por Alexandre Panosso Netto


Quando surgiu o turismo?
Essa é uma das principais perguntas feitas por meus alunos de graduação. Creio que sempre os decepciono, pois digo que há várias versões sobre o surgimento do turismo.
Há autores que dizem que o homem faz turismo desde milhares de anos; outros dizem que o Grand Tour já era turismo e outros que o turismo é uma invenção humana e que só surgiu mesmo com a Revolução Industrial no início do século XIX, aí por volta dos anos 1800 e pouco.

Essa questão só será respondida quando tivermos o entendimento claro do que vem a ser o turismo. Uma invenção humana, uma prática social, uma necessidade, um fato humano, etc. Mas também considero muito difícil definir turismo. Quando optamos por definir, acabamos (de)limitando o fenômeno, logo sua explicação será parcial. Melhor será mesmo buscar compreender o que o turismo significa na atual sociedade e o que já significou para os diferentes povos que um dia puderam ser turistas.

Sobre a temática, o livro de Tony Perrottet, vem bem a calhar. Ele me foi indicado num evento da ANPTUR de 2009 por um colega que fazia meu mini-curso. A discussão de Perrottet inova, pois ele, com sua noiva grávida, fez o percurso que antigos "turistas" romanos faziam. Conclusão: turista é tudo igual, não importa o tempo histórico. Claro que essa é uma simplificação, mas no período da Pax Romana (primeiros duzentos anos de nossa Era), os turistas já reclamavam da grosseria dos taberneiros, dos preços elevados e da comida ruim, bem como muitos fazem hoje.

O livro baseia-se na espetacular obra de Ludwig Friedländer, Roman Life and Manners Under the Early Empire, publicada em alemão em fins dos XIX e traduzida para o inglês em 1913 (ainda que um crítico da época afirme que a tradução tenha sido péssima...).
Também há muitas referências à obra de Lionel Casson, Travel in the Ancient World (1974), que analisa com profundidade o período da Pax Romana.
Também chama a atenção a lembrança do primeiro guia impresso que se tem notícia na história, o de Pausanias, Periegesis Hellados, ou "Descrição da Grécia". 
Ainda hoje quem vai a Roma dá de cara com os centuriões no Coliseu.

O texto é leve e vai intercalando passagens de sua viagem com aspectos históricos que ele coletou nos livros.
Sua tese é a de que o turismo surgiu há mais de dois mil anos e que apenas se modificou/atualizou ao longo do tempo. É uma boa tese, mas que pode não se sustentar se pensarmos no significado dessas primeiras viagens. Dizer que as pessoas nesse período viajavam também por lazer e cultura é uma coisa, pois pode até ter havido viagens com essa motivação, agora  dizer que isso é "turismo", é outra coisa. Seria simples demais pensar assim.

Deve-se ter uma visão histórica e não anacrônica desse processo. Fazer uma transposição do termo turismo e seu significado para um passado tão distante e dizer que lá também já havia turismo não é coerente.
Para Perrottet mudam os tempos, mas Roma é Roma e turistas são turistas!

O turismo é um invenção humana e para se fazer turismo é necessário ao menos uma, digamos, "sensibilidade turística", uma inclinação para a viagem, para o maravilhar-se. O autor não deixa muito claro isso no livro.

Destaco que trata-se de uma obra que nos leva a repensar alguns conceitos atuais sobre o turismo moderno. Uma pena que não possa ser lida como obra científica, mas sim como ensaio, como literatura... mas mesmo assim vale a pena e recomendo!

Um comentário:

cleidescully disse...

Alexandre,

Essa inquietação é constante no campo de estudos do Lazer também. Muitos autores mais inspirados pela sociologia dizem que o lazer é uma invenção moderna, mas isso liga muito o lazer ao consumo de vivências. Outros autores inspirados na Antropologia, dizem que o Lazer tem suas raízes na práticas culturais Antiguidade. Como estudiosa das duas áreas, confesso que já estive em vários lados.. rsrsrs. Por um tempo era muito claro pra mim que o lazer existe desde Antiguidade, mas o Turismo foi uma invenção moderna. Já quase fui convencida pelos que defendem o lazer como fenômeno moderno... hoje eu tenho ouvido as versões e pensado sobre elas. Ainda não encontrei a solução.
Acho mesmo que tudo reside na configuração de um conceito dos fenômenos e fortalecimento dos estudos científios a respeito. E o Turismo ainda traz outras questões: turismo é sinônimo de viagem, deslocamento?... então ele pode sim existir desde que o homem migra de um lugar para o outro. Turismo envolve várias dimensões complexas do ser humano: desejo, imaginação, sonho além de todos aparatos dos quais dependem: meios de transporte, comunicação? Então, inclino-me a achar que ele é moderno...
Fato é que existem poucas pesquisas históricas, trabalhando com fontes, e metologogia historiográficas na nossa área... uma boa pedida para os futuros doutorandos...